3ª Mostra de Cinema Latino-Americano de Rio Grande
Elemento da identidade visual em formato de flor

Sobre

A Mostra de Cinema Latino-Americano de Rio Grande surge como um desdobramento da Mostra de Cinema OfCine, criada em 2016, para a exibição dos curtas-metragens produzidos nas oficinas do Projeto de extensão “Oficina de Cinema OfCine” do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Rio Grande (IFRS). Sendo seu objetivo, fomentar produções audiovisuais na cidade de Rio Grande por meio do fornecimento de bases teóricas e práticas correspondentes a todos os setores da produção fílmica, numa perspectiva crítica frente à linguagem cinematográfica.

Elemento da identidade visual em formato de flor
Cartaz da mostra de 2018

Em 2018, como resultado de dos dois projetos de extensão, “Oficina de Cinema OfCine” e “Cine Clube”, a Mostra integrou às suas atividades a primeira edição do Cinemário – Seminário de Cinema, para a discussão e formação audiovisual. Também realizou sua primeira exibição de filmes ao ar livre, reunindo a comunidade na rua para prestigiar produções regionais e nacionais.

Elemento da identidade visual em formato de flor
Cartaz da mostra de 2018

Em 2019, nosso interesse concentra-se no audiovisual latino-americano sob a perspectiva decolonial, que tem como marco o manifesto “Hacia un tercer cine”, lançado em 1969, pelos cineastas argentinos Fernando Solanas e Octavio Getino - no qual, imbuídos das ideias de Franz Fanon, clamavam pela descolonização do olhar de produtores e espectadores cinematográficos latino-americanos, e propunham um enfrentamento estético, narrativo e educativo à linguagem hollywoodiana, partindo de perspectivas nacionais e regionais - que é retomado e reconfigurado na contemporaneidade. O evento manteve o formato que integra Mostra e Seminário, iniciando seu processo de internacionalização, com foco na América Latina. O objetivo é divulgar e discutir o audiovisual latino-americano contemporâneo, por meio da exibição de produções e do intercâmbio com artistas, pesquisadores e realizadores da região.

Elemento da identidade visual em formato de flor
Cartaz da mostra de 2018

Para que a edição de 2020 pudesse acontecer, muitas mudanças e adaptações precisaram ser feitas devido a necessidade de isolamento social, causado pela pandemia do COVID-19. A Mostra buscou visibilizar as iniciativas cinematográficas (curtas-metragens) potencialmente descolonizadoras de sujeitos e territórios – sobretudo aquelas onde os grupos subalternizados assumem o lugar de enunciação, criando as próprias obras com suas linguagens e problemáticas, agindo de forma a elaborar narrativas contra-hegemônicas em termos de epistemologia territorial e geopolítica do conhecimento (MIGNOLO, 2003). Rastreando intersecções entre as produções cinematográficas latino-americanas recentes, o evento montou sua programação a partir de problematizações contemporâneas apontando caminhos para a sociedade que queremos construir.

Neste ano a Mostra propõe como elemento curatorial a bifurcação entre momentos políticos importantes para a América Latina. A atual crise político-econômica aliada ao pretexto sanitário do COVID-19 nos permitem enxergar um futuro? Entre distopias e fabulações sobre o que nos espera nos traz um caminho entre a civilização e a barbárie